Site Overlay

Tripofobia

A tripofobia é um fenômeno psicológico que envolve uma aversão intensa a padrões visuais específicos, geralmente caracterizados por pequenos buracos ou saliências agrupadas de maneira irregular.

Embora a tripofobia não seja oficialmente reconhecida como uma condição médica pela comunidade científica, muitas pessoas relatam sentimentos de desconforto, repulsa e até mesmo ansiedade ao verem imagens que desencadeiam essa aversão.

Um exemplo claro de tripofobia pode ser uma pessoa que experimenta desconforto intenso ao ver imagens de favos de mel agrupados, como aqueles encontrados em colmeias de abelhas.

Essa pessoa pode relatar uma aversão visceral ao padrão repetitivo dos buracos, sentindo náuseas, coceira na pele ou até mesmo evitando completamente qualquer situação que possa desencadear essa resposta.

Cantora pop Rihanna

Um caso famoso de tripofobia envolveu a cantora pop Rihanna. Em 2013, ela provocou um debate nas redes sociais ao postar uma foto de suas costas com uma tatuagem. Muitos de seus fãs expressaram desconforto e até mesmo repulsa em relação à imagem, desencadeando uma discussão sobre a tripofobia e como padrões visuais podem afetar diferentes pessoas de maneiras tão intensas.

Esse exemplo ilustra como a tripofobia pode afetar até mesmo indivíduos famosos e como a exposição a certos padrões visuais pode desencadear uma resposta emocional e física significativa em algumas pessoas. Embora a tripofobia não seja reconhecida oficialmente como uma condição médica, casos como o de Rihanna destacam a importância de reconhecer e respeitar as experiências individuais das pessoas que sofrem com essa aversão.

As imagens que desencadeiam a tripofobia variam de pessoa para pessoa, mas geralmente incluem padrões como favos de mel, sementes de lótus, bolhas de sabão, agrupamentos de sementes ou frutos, entre outros. Esses padrões costumam evocar uma resposta emocional negativa, muitas vezes acompanhada por sintomas físicos como náusea, coceira na pele ou arrepios.

Apesar da falta de consenso científico sobre esse fenômeno psicológico — tripofobia, alguns pesquisadores propuseram explicações para essa reação emocional. Uma teoria sugere que a aversão a esses padrões pode estar relacionada à associação inconsciente com doenças de pele, como erupções cutâneas ou infecções parasitárias. Outra teoria sugere que a repulsa é uma resposta evolutiva a padrões que se assemelham a organismos venenosos ou nocivos.

Embora a tripofobia seja frequentemente discutida em fóruns online e mídias sociais, é importante notar que nem todas as pessoas experimentam essa aversão e a intensidade da reação pode variar significativamente de um indivíduo para outro. Além disso, mais pesquisas são necessárias para entender completamente a natureza e a origem desse fenômeno.

Se alguém experimenta angústia significativa devido à tripofobia, é recomendável procurar o apoio de um profissional de saúde mental, que pode oferecer estratégias para lidar com essa aversão e reduzir o desconforto associado.

Author: Clínica Psicanalítica | Redação

Neste espaço você encontra textos, resenhas, pesquisas bibliográficas e informação da Psicanálise. A ideia é promover um conhecimento básico acerca de questões de saúde mental e clínica psicanalítica.